Skip to content

Liberdade e crescimento

Liberdade e crescimento

Por  Marcio Lacs
CEO da AMT 
 

O que vai crescer e o que vai sofrer na era pós-Covid-19? São muitos os palpites, poucas as certezas. Eu tenho duas apostas: EAD e ambientes open source. Por quê?

Acredito na evolução do Ensino à Distância porque é uma tendência que já vem se consolidando há muito tempo. As instituições de ensino avançaram muito nas últimas décadas e hoje suportam ou substituem universidades corporativas e de instituições de classe, que transformaram seu conhecimento em conteúdo e aumentaram a sua propagação pelo EAD. 

A questão é que esta evolução não vinha sendo acompanhada, por restrições regulatórias ou culturais, nas escolas e nas empresas. Agora, que a distância foi impostas a todos, elas se viram obrigadas a experimentar o EAD e os relatos têm sido muito positivos.  

A verdade é que, há muito, os limites para o avanço do ensino à distância deixaram de ser impostos pela tecnologia. A grande transformação que era necessária para se adotar mais amplamente a troca de informações e conhecimento pelo meio digital era cultural. E, como falam vários especialistas, a pandemia fez em três meses uma mudança de mentalidade que levaria pelo menos 20 anos para acontecer. 

Quanto ao software livre, desenvolvido de forma colaborativa por comunidades, no ano que vem, comemoraremos os 30 anos da criação daquele que para mim é o maior ícone do movimento, o Linux. 

Mais que um sistema operacional, o Linux foi o ponto de partida de uma revolução nos protocolos de comunicação entre hardware e software. Hoje, está presente em milhões de computadores em todas as partes do mundo. Em muitos casos, sem que o usuário se dê conta, é o Linux que está por trás de diversas aplicações que rodam nos seus dispositivos. 

Enquanto o mundo fala cada vez mais em economia compartilhada, circular e colaborativa, sistemas proprietários, fechados e restritivos parecem caminhar na direção oposta, inviabilizando (economicamente) o desenvolvimento de muitos projetos e encarecendo outros.

Para falar sobre os dois temas, convidamos um parceiro de longa data, Paulo Henrique Oliveira, da Linux Solutions, que acompanhou de perto, com a mão na massa, mais da metade dos 30 anos de existência do Linux. “Há 18 anos, criei a Linux Solutions. Nós oferecemos consultoria, treinamentos, serviços e soluções baseadas na plataforma Linux. Nos últimos cinco anos, já passaram pelos nossos treinamentos à distância mais de 2500 alunos”, conta Paulo Henrique. “O EAD me aproximou muito do consumidor final. Quando nós estamos em uma empresa, vendendo para empresas, acabamos criando uma certa distância. Com os treinamentos, precisamos lidar direto com quem está na ponta final, com a pessoa física. Essa é a melhor parte! Todos os dias interagimos, tiramos dúvidas… EAD não é só pegar uma apostila, gravar uma tela e colocar no PDF”. 

Na preparação para o nosso encontro, perguntei para o Paulo como ele acredita que será o futuro do software livre e do EAD: “Por uma questão financeira, a pandemia vai acelerar ainda mais o uso de softwares livres como o Linux. Até agora, muita gente torcia o nariz para o software livre, assim como para o trabalho remoto. A minha empresa está trabalhando em home office há cinco anos. Foi o melhor movimento que nós poderíamos ter feito”. 

Assim como ambientes open source, eu acredito que mais e mais empresas e instituições de ensino vão aderir ao EAD nos próximos anos. Quais são as dicas que nós podemos passar para quem está querendo começar a sua jornada no ensino não presencial com softwares livres? “Em primeiro lugar, é fundamental escolher bem o software. Existem muitas opções de softwares livres de qualidade para EAD. Na hora de escolher um que se adeque bem às suas necessidades específicas, recomendo ver o que está sendo dito sobre ele pela comunidade, conversar com quem já usa, entender a fundo como está sendo a experiência… Além disso, o local onde o seu EAD vai ser hospedado é fundamental”, explicou Paulo Henrique. “Que software você recomenda?”, retruquei. “Isso, vamos deixar para quinta-feira, às 11h, no nosso encontro”, respondeu PH, já convidando para o Telefone Vermelho desta quinta, 28 de maio. 

Participe! Vai ser uma ótima oportunidade para trocar ideias sobre um futuro que chegou mais rápido do que nós todos imaginávamos. 

 
Telefone Vermelho – EAD e software livre

Quinta-feira, 28 de maio, 11h

Inscrições: https://conteudo.amt.com.br/telefone-vermelho-inscricao

 

Categorias

Tecnologia